Avançar para o conteúdo principal

Alvarim


Não me recordo de tudo nem de todos. Mas as memórias que me surgem como flashes libertam-me um sorriso...nos lábios...de felicidade quando penso em Alvarim.

A viagem prometia ser longa e com alguns enjoos pelo meio, a ver as vistas, sempre tão diferentes de Lisboa. Diferentes de Lisboa, do meu bairro, diferentes dos Olivais.

Era a camioneta que nos levava às tão ansiosas férias, depois de esgotarmos nas tardes de galdérice na rua, todas os jogos: às escondidas, ao apanha, aos policias e ladrões , à sirúmba...

Lá para Setembro , deixávamos as brincadeiras de rua e rumávamos às aventuras da aldeia, entre matas, hortas, entre videiras e pessegueiros, lagartixas e galinhas poedeiras, flores e canteiros à farta, tanques de lavar roupa e fontes de água leve e fresquinha. Festas castiças, gente amável e simpática aguardavam-nos e nós sabíamos.

Lá íamos, com um só destino: Alvarim, algures na Beira Alta. Para onde vais? Perguntavam-me os amigos do bairro. Eu respondia com a alma cheia: - Vou para a Beira Alta, para a terra da minha Avó. ...que nem lá morava, curioso!!!

Ia ver a minha Tia Alice, que bebia o seu copinho de vinho como ninguém e a minha Tia Aida que deitava sempre a sua lágrima quando nos percorria a todos com dois beijos molhados e sempre agarrada à sua muleta. Esta fazia de outra perna, aquela que lhe roubaram nos tempos em que a impotência da medicina aliada às poucas posses, resolviam as infecções que não eram capazes de controlar, com a amputação... Mas não se pense que a minha Tia Alice era menos por isso. Ela era dona de uma força e energias que nem eu com as minhas duas pernas, alguma vez hei-de atingir.

Lá íamos nós, montados na camioneta com malas e tralhas aviadas para mais uma longas férias. Não sei muito bem como depois cabíamos todos no táxi...sem cintos, sem cadeiras da Xico. Mas chegámos sempre bem ao destino, à nossa aldeia, para nós a nossa casa de férias.

A receber-nos tínhamos o cheiro da terra, que se tornava mais autêntico e intenso quando chovia. Éramos muitos e muitas malas se traziam para aquela casa pequena que se enchia somente com a nossa presença. E os vizinhos, sempre atentos e embora ocupados com os seus afazeres e tinham muitos, davam conta da nossa chegada. Em especial os mais pequenos, as crianças, os adolescentes que já sabiam que aquela gente de Lisboa estava de volta.

Da tradição, também fazia parte os cestos à porta. As batatas, as cebolas, as couves tronchundas, as cenouras acabadas de apanhar, lá estavam na manhã seguinte, a darem-nos as boas vindas, com todos os ingredientes para a sopa da terra.

 

 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Receita de rolo de carne com batatinhas no forno

Os comilões cá de casa aprovaram a janta. Assim, aqui vai a receita:

Ingredientes:

Para o rolo
700 gr. de carne picada
Pão (pode ser do dia anterior)
Leite
Temperos a gosto (sal, louro, pimenta, alhos)
Legumes a gosto cozidos (eu tinha couve portuguesa e couve galega)
Salsa e/ou coentros

Para as batatas assadas
Batatas congeladas do pingo doce (redondas para assar)
Cenouras cortadinhas em cubos pequenos
Coentros e/ou salsa
Sal
Azeite
Pimentão doce
Alhos

O rolo:
Comecei por juntar o pão ao leite e fazer uma papa. Adicionei os temperos e depois juntei e misturei tudo à carne picada que ainda estava dentro do saco. Deixei estar uns minutos para a carne ganhar o gosto. O pão deixa a carne picada menos seca e ė uma forma de cortarmos na carne e ainda aproveitar as sobras de pão.
Numa folha de papel vegetal forrada com um pouco de manteiga, coloquei a carne picada e abri um túnel onde deitei a salsa e coentros picadinhos e depois, por cima, legumes cozidos e escorridos. Formei um rolo e pu…

Justin Bieber amigo dos piolhos

A propósito do Justin Bieber e daquele penteado que ele tinha, que lhe escondia a cara, tenho a contar o seguinte:

O meu rico filho de 11 anos tem um desses fashion looks em que passa a vida a abanar toda a cabeça num sentido, para que o cabelo fique de lado. Como se tivesse sido apanhado no meio dum vendaval.

No ano passado, à custa desse cabelo gigante apareceu-lhe pela primeira vez desde a sua existência, aquela bicharada que põe qualquer Mãe com os nervos em franja.

Ora, aproximando-se rapidamente a primavera e com ela a tropa da piolhada, eu pedi-lhe encarecidamente para que considere cortar o cabelo, deste vez, curto.

Sim porque eu sou uma Mãe moderna e deixo o meu filho cortar o cabelo como ele entende, desde os....sei lá...5 anos.

Claro que eu poderia dar-lhe dois berros, levá-lo pelos cabelos até ao cabeleireiro e depois mandar cortar aquela cabeleira a meu gosto.
Mas não.
Eu sou uma Mãe moderna que entende que na construção da sua personalidade, que eu espero que seja fort…

Cais do Sodré e Baixa aí vamos nós....

É mesmo isso, este Sábado fomos para a rambóia. Eu, o meu husbund e alguns amigos.

Deixo aqui o itinerário escolhido para que possam tirar umas ideias, num próximo fim de semana.

Combinámos à porta do restaurante às 8.30 mas chegámos cedo.....então andámos às voltas, eu e o meu mais que tudo. O restaurante ficava na baixa, na rua dos Sapateiros, 177, a que tem uma arcada e é paralela à rua Augusta.

Como estávamos a queimar tempo, fomos à descoberta e entrámos, nada mais nada menos, que no antigo cinema onde há alguns anos passavam filmes para maiores de 18 anos!!!

Aquilo é um local muito interessante, eh, eh, onde por apenas 2 euros se pode ver uma senhora toda descascadinha. São cabines onde com alguma dificuldade me fiz caber, a mim e ao meu marido.

Colocam-se as moedas e abre-se uma janela de onde se vê uma senhora numa cama redonda que se move, move-se a cama e move-se a senhora!!!..o máximo!!!
Andava com curiosidade de ver este tipo de atracção e já está, já vi, finalmente.

Dep…