Avançar para o conteúdo principal

Sagres..aqui vamos nós

Já está. Já fiz a reserva. Eu e mais o grupo de amigos. Os do costume. Os que alinham sempre quando o assunto é ir até Sagres. São cá uns invejosos. Assim que sabem da noticia toca a ligar e a reservar. Nunca querem ficar de fora. E ainda bem que assim é.

Sagres é como a nossa terra. Aquela terra que dizemos que vamos, como quem vai ao norte, ver das batatas ou rever os avós.

Mas nós ali não temos as tias nem mesmos as couves portuguesas para regar.

Regados mesmo só mesmo de vinho ou cerveja fresquinha, depois de carregarmos as baterias ao sol. Sol é que não falta em Sagres.

Mas nós em Sagres temos também uma família muito importante para rever: o mar, as praias fabulosas, as conversas que se colocam em dia, o jogo da sueca que termina sempre em discussão sobre as cartas que saíram duas vezes no mesmo jogo, misteriosamente. As sandes místicas por nós baptizadas, porque se enfiam dentro do pão o queijo, o fiambre e a folha de alface para completar, como num ménage à trois.

Ir a Sagres é ver o que há de novo, os bares que fecharam, os outros que abriram, que supermercados vendem agora os seus produtos.

Mas o mar, esse está sempre lá, presente, com as suas ondas revoltadas, espicaçadas pelo vento. Ui, o vento. Já cá faltava este.

Este familiar nunca sai de Sagres. Aliás, disse um dia um amigo, que de Sagres, ou se gosta ou se odeia. E muito por culpa do vento.

Porque o vento leva-nos para fora da praia, empurra-nos para outra. Para onde o vento entende. E estar em Sagres também é isto. É mesmo isto. É estar sempre com a trouxa pronta para levantar tenda e ir procurar outro local onde tomar banho, onde o vento esteja de bom humor e permaneça invisível, ainda por pouco tempo.

Porque o vento é o mais antigo habitante de Sagres e não se prevê que emigre, apesar da crise, que dizem que anda por aí.

Eu acho que o vento faz de propósito, não deixa que ninguém se acomode. Partilha mas não cede, não cede Sagres a ninguém. Sagres é do vento. E o vento é ciumento.

Ir a Sagres obriga a ir comer um bife indescritível e saboroso, servido com uma salada que se devia chamar, qualquer coisa..arco íris, o tesouro ao fim do arco íris, é isso. O restaurante fica na praça do quiosque. Alguém se lembra do nome, para completar o ramalhete?

Ir a Sagres é ter que beber um copo no dromedário e no água salgada. E temos mesmo, mesmo que lá ir. É como ir ao norte e não ir àquela taberna, onde nos conhecem desde pequenos, é uma desfeita muito grande, pode-se ficar falado, sabe-se lá!

Preparar a mala de viagem até Sagres é igualmente especial. Temos que levar roupa especialmente quente, para as noites especiais onde quase todos os dias o vento sai à rua para cantar e uivar. Para nos recordar a quem pertence aquela ponta de Portugal, caso nos esqueçamos.

Mas na mala também tem de caber a toalha da praia, as raquetes de praia, a roupa de praia, o chapéu de praia, comprado exclusivamente para levar para Sagres porque no final da estadia, teremos que o deixar por lá, num caixote, porque se partiu numas das muitas demonstrações de poder do vento.

Lá estaremos em Sagres, muito em breve e o vento que se prepare porque nós iremos bem preparados.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Receita de rolo de carne com batatinhas no forno

Os comilões cá de casa aprovaram a janta. Assim, aqui vai a receita:

Ingredientes:

Para o rolo
700 gr. de carne picada
Pão (pode ser do dia anterior)
Leite
Temperos a gosto (sal, louro, pimenta, alhos)
Legumes a gosto cozidos (eu tinha couve portuguesa e couve galega)
Salsa e/ou coentros

Para as batatas assadas
Batatas congeladas do pingo doce (redondas para assar)
Cenouras cortadinhas em cubos pequenos
Coentros e/ou salsa
Sal
Azeite
Pimentão doce
Alhos

O rolo:
Comecei por juntar o pão ao leite e fazer uma papa. Adicionei os temperos e depois juntei e misturei tudo à carne picada que ainda estava dentro do saco. Deixei estar uns minutos para a carne ganhar o gosto. O pão deixa a carne picada menos seca e ė uma forma de cortarmos na carne e ainda aproveitar as sobras de pão.
Numa folha de papel vegetal forrada com um pouco de manteiga, coloquei a carne picada e abri um túnel onde deitei a salsa e coentros picadinhos e depois, por cima, legumes cozidos e escorridos. Formei um rolo e pu…

Justin Bieber amigo dos piolhos

A propósito do Justin Bieber e daquele penteado que ele tinha, que lhe escondia a cara, tenho a contar o seguinte:

O meu rico filho de 11 anos tem um desses fashion looks em que passa a vida a abanar toda a cabeça num sentido, para que o cabelo fique de lado. Como se tivesse sido apanhado no meio dum vendaval.

No ano passado, à custa desse cabelo gigante apareceu-lhe pela primeira vez desde a sua existência, aquela bicharada que põe qualquer Mãe com os nervos em franja.

Ora, aproximando-se rapidamente a primavera e com ela a tropa da piolhada, eu pedi-lhe encarecidamente para que considere cortar o cabelo, deste vez, curto.

Sim porque eu sou uma Mãe moderna e deixo o meu filho cortar o cabelo como ele entende, desde os....sei lá...5 anos.

Claro que eu poderia dar-lhe dois berros, levá-lo pelos cabelos até ao cabeleireiro e depois mandar cortar aquela cabeleira a meu gosto.
Mas não.
Eu sou uma Mãe moderna que entende que na construção da sua personalidade, que eu espero que seja fort…

Cais do Sodré e Baixa aí vamos nós....

É mesmo isso, este Sábado fomos para a rambóia. Eu, o meu husbund e alguns amigos.

Deixo aqui o itinerário escolhido para que possam tirar umas ideias, num próximo fim de semana.

Combinámos à porta do restaurante às 8.30 mas chegámos cedo.....então andámos às voltas, eu e o meu mais que tudo. O restaurante ficava na baixa, na rua dos Sapateiros, 177, a que tem uma arcada e é paralela à rua Augusta.

Como estávamos a queimar tempo, fomos à descoberta e entrámos, nada mais nada menos, que no antigo cinema onde há alguns anos passavam filmes para maiores de 18 anos!!!

Aquilo é um local muito interessante, eh, eh, onde por apenas 2 euros se pode ver uma senhora toda descascadinha. São cabines onde com alguma dificuldade me fiz caber, a mim e ao meu marido.

Colocam-se as moedas e abre-se uma janela de onde se vê uma senhora numa cama redonda que se move, move-se a cama e move-se a senhora!!!..o máximo!!!
Andava com curiosidade de ver este tipo de atracção e já está, já vi, finalmente.

Dep…